sábado, 25 de fevereiro de 2012

Projeto: Quem sou eu?





Alunos Atendidos: Maternal III

Professora: Maria Aparecida Rodrigues Marques

Duração: Em média uma semana.

Objetivos:

Ao final do projeto os alunos deverão ser capazes de:

• Saber a história de sua vida;

• Conhecer a história e o significado de seu nome;

• Estimular o raciocínio e a percepção visual;

• Desenvolver a imaginação e a criatividade;

• Identificar suas preferências em relação a tudo que o cerca, a sua realidade;

• Formar próprios conceitos através de descobertas e experimentações.



Culminância:

Construção de um Mural coletivo e de um Álbum da vida -Individual.



“ Se uma criança vive com aceitação e amizade; aprende a

encontrar o amor no mundo.”

( Eny e Esther Sarli )



Primeira Semana de Projeto:



• Em “rodinha” iniciar de maneira descontraída e atrativa uma dinâmica – O

Professor apresenta uma caixa, com tampa, decorada da maneira que achar

mais atraente a seus alunos e dentro de suas possibilidades – Podendo ser

caixa de sapatos, de madeira, de vime, de qualquer outro artigo que tenha

consumido, ou até mesmo um pequeno baú.

• O professor apresenta a caixa dizendo que dentro dela tem o que existe de

mais precioso, de mais importante, um verdadeiro tesouro.

• Propõe, então, uma brincadeira onde cada um terá que olhar o que tem dentro

da caixa, ver qual é este tesouro e manter segredo – Um a um devem olhar e

voltar ao lugar sem poder contar o que viu – Esta é a regra da brincadeira:

Manter segredo.

• Dentro da caixa deve conter um espelho, bem no fundo, do tamanho exato da

mesma. No momento em que a criança for olhar o tesouro verá refletida sua

própria imagem.

• A professora deve ficar atenta a cada reação individual ao deparar-se com a

própria imagem. É fundamental criar um clima de muito interesse provocando

sempre: Qual será este tesouro?

• Após todos terem visto sua imagem refletida dentro da caixa e terem tido as

mais diferentes reações, cuidando sempre para que não falem enquanto todos

não olharem, abrir então o debate, a conversa informal.

• O que vocês viram dentro da caixa? Descobriram o tesouro?

• Aproveitar cada resposta dos alunos, orientando-os quando necessário, mas

propiciando que se expressem.

• A conversa deve fluir até o ponto em que o professor perceber que os alunos

perceberam que eles são o tesouro – cada um deles – por isso não poderiam

contar o segredo – pois todos somos únicos – Ninguém é igual a ninguém.

Após a realização da Dinâmica do Tesouro, ainda em círculo, sentados de forma

confortável, provocar os alunos para que observem seus próprios corpos e façam

comparações: __ Quem é mais alto? Quem é mais baixo? Quem tem a mesma

altura? __Quem tem cabelos loiros? Quem tem cabelos castanhos? Quem tem

cabelos pretos? __ Quem é negro? Quem é moreno? Quem é branquinho?

__ Quem tem olhos azuis? E castanhos? __ Quem é menino? Quem é menina?

E assim propor que se agrupem de diferentes formas:

Exemplo:

__Vamos juntar todas as crianças que tem cabelo bem curtinho do lado esquerdo

em pé e todas as crianças que tem cabelos compridos do lado direito sentadas.

__Vamos juntar os meninos de um lado e as meninas do outro.

__ Agora vão pular só as crianças que tem olhos azuis ou verdes.

Assim, o professor pode ir brincando, criando diferentes situações de acordo com

a sua turma, sempre tendo como objetivo que façam comparações a partir das

diferenças e semelhanças existentes no próprio corpo e no corpo dos amigos.

Concluir a atividade quando não houver mais interesse da turma.

Num segundo momento, que pode ser no mesmo dia ou não, o professor vai

apresentar uma ficha, previamente preparada, xeroca ou mimeografada onde as

crianças terão que completar fazendo seu auto-retrato. As informações contidas

na ficha podem ser anotadas por escrito pela professora caso a turma ainda não

seja alfabetizada, todavia, é fundamental que sejam todas discutidas

individualmente e em grupo.



Segue exemplo de face para auto – retrato e de ficha que pode ser adaptada

caso o professor ache necessário.



Quem sou eu?



Meu nome é: ________________________________________

Tenho ____ anos. Nasci no dia ___/___/___.

Meu endereço é:

__________________________________________________

__________________________________________________

Meu telefone é: ______________.

O nome da minha mãe é:________________________________

O nome do meu pai é: __________________________________

Na minha família também tem: _____________________ que eu

gosto muito e cuida de mim.

Minha altura:__________.

Meu peso: ____________.

Cor dos olhos: _________________.

Cor dos cabelos:________________.

Meu auto-retrato:

6

Desenho no bolo o número de velinhas correspondentes à sua idade:

A seguir mais algumas sugestões de

atividades sistematizadas, afim de

serem xerocas ou mimeografadas pelo

professor com intuito de ir juntando

material para o Álbum da Vida do

aluno:

Pinte as figuras com a cor correta:

Meus olhos: Meus cabelos:

Quantas letras tem o seu nome? Conte e cole uma bolinha de papel

crepom da sua cor preferida para cada letra :



Importante:



Chegando nesta etapa o professor deverá iniciar um trabalho criando uma

identidade entre a criança e a escrita de seu nome. Seguem algumas sugestões

de atividades práticas que podem ser realizadas durante este projeto ou até

mesmo no decorrer de todo o ano letivo. Sugerimos que para o projeto em si:

Quem sou eu? Sejam escolhidas no máximo 3 das atividades propostas: História

do nome, Dança da Cadeira e mais uma a escolha do professor de acordo com o

nível da turma. Mas, ficam as sugestões para trabalhos posteriores.

A construção da escrita do nome, na Educação Infantil, é vista como um

grande caminho a ser percorrido pela criança.

O nome próprio de uma criança é seu marco de identificação e, por isso, é

tão valorizado por ela. É por esse motivo que o trabalho com o nome próprio gera

uma relação de identidade da criança com a escrita.

É fundamental, para a construção da escrita do nome que a criança saiba

que desenhar é diferente de escrever a partir desta diferenciação que a criança

começa a se dar conta de que precisa algo mais do que um desenho para poder

escrever o seu nome, e então começam a aparecer em seus trabalhos as

tentativas da escrita, a qual pode estar representada por “risquinhos”, “bolinhas”,

“cobrinhas”...

A primeira letra do nome próprio é sempre a mais reconhecida e escrita

pelas crianças antes das demais. Muitas chegam a estabelecer uma relação de

identidade que, em geral, as faz chamá-la de minha letra. É sempre aquela que

reconhecem mais depressa em diferentes textos, cartazes, otdoors e outros.

A visualização é um mecanismo que faz parte da construção da escrita. Por este

motivo é importante que os nomes estejam fixados nos gradis, nos materiais, nas

lancheiras, nos crachás.

Ao identificar seu nome e observá-lo escrito em diferentes locais e

materiais, a criança, consequentemente, o memoriza. A partir de então inicia-se

seu relacionamento com a escrita como representação de sua identidade,

auxiliando-a a ver-se como um indivíduo que possui identificação. Por isso seu

nome é tão importante. É um marco identificatório.

O modelo da escrita do nome em diferentes materiais informa à criança

sobre quais são as letras e qual a quantidade necessária de letras para escrevêlo,

além de informar a posição e a ordem em que aparecem no seu nome.

É importante, nesse trabalho, a busca de semelhanças e diferenças, as

posições das letras, os diferentes modos de escrita.

É interessante desafiar a criança nesta questão. Por exemplo: “Pus a

primeira letra do nome de Camila. Onde ponho a segunda? Aqui ou aqui”?

( indicando à direita ou à esquerda da letra C ). Este tipo de desafio auxilia a

criança na direcionalidade da escrita, deixando um pouco de lado as letras

espelhadas tão comuns nas séries iniciais.

O sujeito é um construtor dos seus conhecimentos e nesse processo passa

por etapas importantes que vão da visualização até o reconhecimento da escrita

em diferentes lugares e formas.

O objetivo maior do trabalho com a escrita do nome na Educação Infantil é

fazer com que a criança se reconheça como um sujeito importante que possui um

nome que é só seu, além de propiciar a aprendizagem da escrita.



A seguir apresentarei algumas atividades e brincadeiras que auxiliam o processo

de construção da escrita do nome:



Sugestões de Atividades Práticas Idade de 03 a 04 anos)



1 – História do nome.



Objetivo: Conhecer a origem do seu nome.

Material: Folhas de papel ofício.

Procedimento:



Entrevistar os pais:



- Quem escolheu seu nome? - Por que me chamo.....? O que significa ..... ?

• Combinar com a turma o dia do relato e como ele será. ( A escolha do

professor)



Sugestão de Atividade: Contar a história do seu nome aprendida com a entrevista

e ilustrá-la.

Interessante: Em papel pardo o professor poderá registrar o nome de todos e uma

síntese da origem do mesmo e fixar no mural.

Observações: Todos deverão trazer a entrevista no dia marcado, oportunizando o

desenvolvimento da responsabilidade desde pequenos, e, caso isso não aconteça,

o professor deverá estar preparado e saber qual atitude tomar frente a este

problema.



2 – Fichário:



Objetivo: Identificar seu nome

Procedimentos: Montar na sala de aula um fichário com cartões de cores diferentes: Com letra de imprensa maiúscula.

Combinar com a turma o momento e o modo como deverão utilizar as fichas. ( De

acordo com o professor) – Pode ter em cada ficha uma foto 3x4 da criança.

Sugestão de Atividades: Identificar o nome – Escrever o nome.



3 – Lista de Palavras:



Objetivo: Identificar em diferentes palavras a letra inicial do seu nome.

Materiais: Tesoura, Revistas, Jornais, Folhetos, Cola, Folhas de ofício.

Procedimentos:

• Explorar com a classe a letra inicial do nome.

• Recortar e colar a primeira letra do seu nome em folhas de ofício.

• Ler com a turma as letras encontradas e juntos identificar seu nome.



Sugestão de Avaliação: Reconhecer, em lista de palavras, aquelas com a letra

que inicia o seu nome.

4 – Letras Móveis:



Objetivo: Conhecer as letras e identificar seu nome através de brincadeira.

Material: Letras móveis que podem ser de madeira, EVA, papelão e etc...

Procedimentos:

• Deixar expostas na sala às letras para haver um contato maior por parte das

crianças com o material.

• Propor que, em diferentes momentos de aula, as crianças utilizem as letras

para a tentativa de identificar a primeira letra do seu nome.



Sugestão de Avaliação: Escrever seu nome numa brincadeira.

Observações:

• Este material permite à criança fazer uma correspondência de letras, posição e

ordenação das mesmas.

• Se as letras forem de papel ou papelão, seria interessante que as crianças

ajudassem na (pintura)confecção do próprio material, orientadas pelo professor.



5 – Bingo:

Objetivo: Conhecer as letras que compõem a escrita de seu nome através do jogo.

Materiais: Cartelas de cartolina ou papelão; tampinhas de garrafa ou pedrinhas

para marcar as letras; folhas de desenho; fichinhas com as letras dos nomes; cola;

papel colorido ( para fazer bolinhas de papel ) ou palitos de fósforo usados.



Procedimento:

• Cada criança receberá uma cartela com a escrita do seu nome.

• O professor sorteará as letras, dizendo o nome de cada uma delas para que as

crianças identifiquem-as. Cada letra sorteada deverá ser marcada na cartela

caso haja no seu nome. Assim que a cartela for preenchida o aluno deve gritar:

BINGO!

• Logo que terminarem o jogo, será proposto um relatório realizado

individualmente, com a distribuição de fichinhas com as letras do nome ( Uma

ficha para cada letra) entregues fora de ordem.

• As crianças deverão ordenar as fichas, compondo os eu nome, e colocá-las em

uma folha de ofício.

• A professora pede que contem quantas letras há na escrita dos eu nome e

propõe que colem a quantidade representativa em palitos de fósforos ou

bolinhas de papel, na folha.

Sugestão de Avaliação: Reconhecer em fichinhas as letras que fazem parte da

escrita do seu nome.

Observação: É interessante que se repita o jogo várias vezes no decorrer das

atividades antes de se propor o relatório.



6 – Dança da Cadeira:

Objetivo: Reconhecer a escrita de seu nome dentre a escrita dos nomes de todos

os colegas.

Materiais: Fichas com a escrita de todos os nomes ( uma para cada nome ) e

cadeiras.

Procedimentos:

• O professor propõe às crianças que façam um círculo com as cadeiras.

• Depois distribui as fichas com os nomes para que as crianças fixem nas

cadeiras.

• Inicia-se a dança das cadeiras onde ao término da música cada um deverá

sentar na cadeira onde consta a ficha com o seu nome.

Sugestão de Avaliação: Realizar a brincadeira diversas vezes sempre trocando as

cadeiras de lugar.



7– Sapata ou Amarelinha:

Objetivo: Reconhecer as letras que compõem seu nome.

Materiais: Pedrinhas e giz.

Procedimentos:

• Cada aluno irá traçar no pátio da escola sua amarelinha. Neste momento, uma

amarelinha será diferente da outra, quando os nomes não possuírem a mesma

quantidade de letras.

• Utilizando a pedrinha marcarão a letra que não deverão pular.

• O professor pode aproveitar a ocasião para questionar o aluno: Qual a letra

que vem primeiro? E depois qual será?

Sugestão de Avaliação: Escrever seu nome após pular a amarelinha.

Observação: Este tipo de brincadeira trabalha a ordem da escrita do nome,

possibilitando ao aluno identificar qual a primeira letra, qual a segunda, e assim

por diante até formar seu nome.


Idéia:

Com o trabalho da História do nome de cada aluno é interessante que sejam

pesquisados os diferentes significados dos nomes de cada um e seja

montado um mural com os mesmos: ilustrações feitas pelas crianças, a forma

que sabem escrever o nome, o desenho de seu nome, seu auto-retrato, fotos

das crianças – Este fica a critério do interesse e da criatividade do professor.

É um tema rico, importante e que, certamente, encantará aos responsáveis e

a toda equipe da escola exposto num belo mural.

Aproveite esta idéia e dê na montagem do mural uma originalidade,

mostrando a sua personalidade e a de sua turma.

Você pode e deve tirar um dia somente para a realização desta tarefa .

É fundamental a participação das crianças em cada detalhe.

Pesquisa feita no blog www.projetospedagogicosdinamicos.com e adaptado por Cida Marques

quinta-feira, 16 de fevereiro de 2012

MARCHINHAS DE CARNAVAL, GRITO DE CARNAVAL 2012

A Jardineira


Oh! jardineira porque estás tão triste?

Mas o que foi que te aconteceu?

Foi a camélia que caiu do galho,

Deu dois suspiros e depois morreu.




Vem jardineira! Vem meu amor!
Não fiques triste que este mundo é todo seu.
Tu és muito mais bonita
Que a camélia que morreu.




Projeto "O Carnaval do Brasil é só Alegria"Plano de aula

CEIM Casulo Santa Terezinha do Menino Jesus
Data: 15 a 24 de fevereiro de 2012
Tema: carnaval
Semestre: 1º
Idade: 03 anos
Professora; Maria Aparecida Rodrigues Marques.

Atividades de rotina

Competências:

*Reconhecer e apreciar a historia do carnaval;
*Participar do grito de carnaval;
*Envolver-se e tirar prazer das atividades lúdicas.

Incentivação:

-Mural
-Música
-Histórias (Com fantoches)
-Brincadeiras

Habilidades:

* Conhece a historia do carnaval;
* Participa do grito de carnaval e brincadeiras propostas.;
*Demonstra criatividade;

Desenvolvimento:

Conversa informal sobre o tema abordado.

Atividades:

15/02 – Historia do carnaval, confec de colares e máscaras;
16/02 - Desenho livre e grito de carnaval (música mamãe eu quero)
17/02 – Pintura (Oba!). O carnaval esta chegando!
23/02-Desenho livre sobre o que você mais gostou no grito de carnaval.
24/02- Conversa em rodinha o que vc mais gostou o carnaval

Projetos desenvolvidos:


Justificativa:

Desde pequenas, as crianças aprendem muito, sobre o mundo, fazendo perguntas e ouvindo fatos e histórias dos seus familiares, amigos até mesmo assistindo TV, vídeos e ou foliando e apreciando revistas e jornais.Vivenciam também experiências e interagem num contexto de: conceitos, gostos e costumes formando suas idéias e conhecimentos sobre o mundo que a cerca.

Através deste pensamento será trabalhado o tema "O Carnaval", de forma integrada indo de encontro aos interesses das crianças respeitando suas necessidades, curiosidades e idéias.



Objetivo geral:

Através deste projeto, levar a criança a:

* Interessar-se e demonstrar curiosidade pelo mundo social, formulando perguntas, imaginando soluções para compreende-lo manifestando opiniões próprias sobre os acontecimentos, buscando informações e confrontando idéias.



Objetivos Específicos:

* Reconhecer o carnaval brasileiro como a maior festa do mundo;

* Conhecer a história do carnaval no Brasil e suas características;

* Coletar dados sobre o carnaval no Brasil;

* Conscientizar as crianças no sentido de que é preciso não confundir diversão com confusão;

* Desenvolver o gosto pela leitura;

* Trabalhar o raciocínio e a memória;

* Desenvolver a linguagem oral e a escrita;

* Desenvolver o gosto por poemas e músicas;

* Desenvolver a percepção e a coordenação motora;

* Estimular o ritmo;

* Despertar e educar a atenção e a observação;

* Proporcionar liberdade de auto-expressão;

* Possibilitar habilidades com as mãos; desenvolver o espírito criador;

* Estabelecer relações de quantidade/cor, quantidade total e formas;

* Trabalhar com seqüência de numeração;

* Desenvolver a percepção usual do número;

* Trabalhar com psicomotricidade;

* Estabelecer regras para o jogo.



Conteúdos:

* O Carnaval;

* Linguagem oral e escrita;

* O fazer artístico;

* Apreciação musical

* Expressividade

* Equilíbrio e coordenação;

* Número e sistema de numeração



Estratégias:

*Música

* Poemas;

* Parlendas;

* Painéis;

* Pesquisa;

* Dança,

* Desenho;

* Pintura;

* Festa de carnaval;

* Brincadeiras infantis;

* Jogos diversos;

* Ditado;

* Recorte e colagem;

* Carta enigmática

* Literatura infantil;

* Vídeos;

* Cds;

* Fantoches;

* Máscaras;

* Murais informativos;

* Atividades explorando a escrita de letras e números.



Avaliação:

A avaliação será realizada permanentemente comprometida com o desenvolvimento das crianças. Será observado o que as crianças sabem fazer, o que pensam a respeito do carnaval e do que é difícil entender, assim como conhecer mais sobre os interesses que possuem.



Cronograma: 1 a 2 semanas.



Desenvolvimento das atividades:

O projeto O carnaval do Brasil, pode ser desenvolvido através da sua história.

Para tornar a história do carnaval do Brasil interessante levar para a sala de aula reportagens e fotos sobre o assunto. Observando o interesse das crianças pode-se propor para o grupo uma pesquisa como tarefa de casa.

O material que as crianças trouxerem poderá ser apresentado no momento da rodinha. Todos deverão ter a oportunidade de mostrar sua pesquisa para o grupo e falar sobre ela. Em seguida, poderão confeccionar murais ou cartazes informativos.

Os murais ou cartazes informativos chamam a atenção até dos pais ou responsáveis das crianças, que também param em frente para ler, observar e comentar sobre as informações contidas nos mesmos. E também poderão conferir a utilização da pesquisa feita por seus filhos.

Além das atividades específicas como: rodinhas informativas; hora de novidades e surpresas; pesquisas; comentários de gravuras e observações dirigidas; também poderão ser realizadas, com as crianças, atividades relacionadas que auxiliem no esclarecimento e fixação do assunto estudado, explorando a comunicação e expressão através de pantomimas, coro falado, poesias, jogos e recreação.

Explorar, também, a matemática com objetivo de desenvolver conceitos matemáticos. E cantar músicas de carnaval, pois é possível constatar que a maioria das crianças não conhece as músicas apresentadas, mas todas aprendem com facilidade.

É preciso, portanto, realizar momentos divertidos com muita música e dança.



MÚSICAS:



* Música:

Quanto riso! Oh!

Quanta alegria!

Mais de mil palhaços no salão.

Arlequim está chorando

pelo amor da Colombina

no meio da multidão!



* Música:Mamãe eu quero.

Mamãe eu quero.

Mamãe eu quero mamar.

Dá a chupeta,

Dá a chupeta,

Dá a chupeta,

Pro bebê não chorar.



ABRE ALAS

Chiquinha Gonzaga, 1899



Ó abre alas que eu quero passar

Ó abre alas que eu quero passar

Eu sou da lira não posso negar

Eu sou da lira não posso negar


Ó abre alas que eu quero passar

Ó abre alas que eu quero passar

Rosa de ouro é que vai ganhar

Rosa de ouro é que vai ganhar
MAMÃE EU QUERO

Jararaca-Vicente Paiva, 1936

Mamãe eu quero, mamãe eu quero

Mamãe eu quero mamar

Dá a chupeta, dá a chupeta

Dá a chupeta pro bebe não chorar


Dorme filhinho do meu coração

Pega a mamadeira e vem entrá pro meu cordão

Eu tenho uma irmã que se chama Ana

De piscar o olho já ficou sem a pestana



Olho as pequenas mas daquele jeito

Tenho muita pena não ser criança de peito

Eu tenho uma irmã que é fenomenal

Ela é da bossa e o marido é um boçal

 
 LINDA MORENA

Lamartine Babo, 1932



Linda morena, morena

Morena que me faz penar

A lua cheia que tanto brilha

Não brilha tanto quanto o teu olhar



Tu és morena uma ótima pequena

Não há branco que não perca até o juízo

Onde tu passas

Sai às vezes bofetão

Toda gente faz questão

Do teu sorriso

Teu coração é uma espécie de pensão

De pensão familiar à beira-mar

Oh! Moreninha, não alugues tudo não

Deixe ao menos o porão pra eu morar




Por tua causa já se faz revolução

Vai haver transformação na cor da lua

Antigamente a mulata era a rainha

Desta vez, ó moreninha, a taça é tua
                                                                      O TEU CABELO NÃO NEGA


Lamartine Babo-Irmãos Valença, 1931

O teu cabelo não nega mulata

Porque és mulata na cor

Mas como a cor não pega mulata

Mulata eu quero o teu amor


Tens um sabor bem do Brasil


Tens a alma cor de anil

Mulata mulatinha meu amor

Fui nomeado teu tenente interventor


Quem te inventou meu pancadão

Teve uma consagração

A lua te invejando faz careta

Porque mulata tu não és deste planeta


Quando meu bem vieste à terra

Portugal declarou guerra

A concorrência então foi colossal

Vasco da gama contra o batalhão naval

Pesquisar este blog

Carregando...
Loading...

Follow by Email

Ocorreu um erro neste gadget